Notícia

2min leitura

Megaquarta: quebradeira de bancos abre espaço para queda de juros?

Uma dolorosa revisão de expectativas

Por Renato Santiago

16 mar 2023 11h10 - atualizado em 16 mar 2023 11h11

Dizem que, desde que o Fed começou seu atual ciclo de alta de juros, era questão de tempo para aparecerem corpos boiando no mercado financeiro dos Estados Unidos.

Esse momento chegou na quinta-feira passada, quando o SVB (Silicon Valley Bank) anunciou que precisaria de um aumento de capital. Na sexta houve uma verdadeira corrida bancária contra a instituição e no domingo o banco estava liquidado pelas autoridades — que prometeram também garantir todos os seus depósitos, e não apenas aqueles que estavam cobertos pelo fundo garantidor local.

Mas este não é um texto sobre o SVB, esse é um texto sobre mudanças forçadas de expectativas do mercado (a história da derrocada do banco foi contada brilhantemente pelo Matheus Soares na Compoundletter de terça, com clareza e profundidade não vistas em agências e jornalões).

Expectativas

O gráfico abaixo representa as variações diárias de preços dos títulos de dois anos do tesouro americano. Veja como na segunda-feira houve a maior variação negativa do gráfico, de cerca de 60 pontos base, ou 0,6 ponto percentual.

Essa queda mostra que o mercado mudou de expectativas. Com a quebra do banco e uma possível crise de crédito, o mercado já viu sinais suficientes de redução de demanda e de que, portanto, o Fed pode aumentar menos os juros ou até baixá-los no segundo semestre. E começou a projetar um juro mais baixo no futuro.

Antes da liquidação do SVB, a expectativa era de que os juros chegassem a 5,9% nos Estados Unidos. Depois, essas expectativas caíram para 5%. Hoje a taxa básica de juros por lá é entre 4,5% e 4,75% ao ano. É o que mostra a imagem abaixo, da Bloomberg.

Esses gráficos também contam uma história sobre stop loss. Como quase todos os fundos trabalham com metas de volatilidade e como quase todos estão expostos ao tesouro americano, uma mudança brusca nos preços dos títulos faz com que muitos sejam forçados a vender os títulos, derrubando ainda mais o preço. Quem não mudou de expectativa antes, foi obrigado a mudar depois, na marra.

E agora?

Então agora podemos ter certeza que o Fed vai segurar a mão nos juros, correto? Ninguém quer uma quebradeira de bancos, como em 2008.

Não exatamente. O problema é que o principal mandato do Fed não é salvar bancos, e sim segurar a inflação. E isso ainda não aconteceu. O índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos de fevereiro saiu ontem e ficou acima do esperado, em 0,4%. Em termos anuais, a inflação está em 5,9% por lá.

O Fed decide na quarta-feira o que vai acontecer com os juros norte-americanos.

Brasil

Enquanto isso, no Brasil, mais incerteza. Se por um lado o Copom ainda tem que lidar com expectativa de inflação causada por gastos do governo, por outro o mercado não para de falar de uma possível crise de crédito gerada pela inadimplência de empresas que não aguentam os 13,75% ao ano, mais spread, e pela fraude das Americanas (até a Verde citou em sua carta um possível credit crunch).

Com tantos sinais dispersos, não surpreende que os tomadores de decisão do mercado financeiro estejam em espera até a megaquarta da semana que vem, que concentra Copom, Fomc e a apresentação do arcabouço fiscal de Haddad. 

Até lá, recomenda-se cautela.

Compartilhe

Por Renato Santiago

Jornalista, co-fundador do canal Market Makers e do Stock Pickers, duas vezes eleito o podcast mais admirado do Brasil. Passou por grandes redações do país, como o jornal Folha de S. Paulo e revista Exame, e atuou na cobertura de diferentes temas, de cotidiano até economia e negócios. Sua missão, hoje, é a de usar sua expertise editorial e habilidades de reportagem para traduzir o mundo das finanças e mercado financeiro ao grande público.

renato.santiago@empiricus.com.br