Notícia

4min leitura

O (bom) jogo de xadrez de Buffett

No xadrez, costumo dizer que um bom jogador é aquele que sabe avançar com os peões.

Por caio.nascimento

15 maio 2024 10h00 - atualizado em 15 maio 2024 06h54

Mover os peões pra frente do jeito certo te permite controlar o centro do tabuleiro e abrir caminho para crescer no jogo com as peças mais ofensivas, sem se arriscar à toa.

Digo “do jeito certo” porque um avanço afobado deixa o Rei exposto — e qualquer precipitação abre espaço para um jogo caótico ou, num pior cenário, um xeque-mate.

Assim como na vida, no xadrez “a paciência é uma árvore cujas raízes são amargas, mas os frutos são saborosos” (provérbio persa).

Ouvir o papo do Salomão e do Matheus com Pedro Gonzaga (Mantaro Capital) e Enzo Pacheco (Empiricus) sobre a experiência de cada um deles na conferência anual da Berkshire Hathaway, de Buffett, me fez pensar nisso.

Afinal, uma palavra que define o sucesso do Mago de Omaha é a paciência de um bom enxadrista, que sabe posicionar seu jogo para vencer sem afobação.

A Berkshire não é um player que talvez vá dar uma porrada gigantesca daqui 10, 15 anos. Vou dar um exemplo: tem um ETF XYZ de tecnologia que valorizou 100%, muito mais que a empresa de Buffett nos últimos anos. Mas quando você pega o longo prazo, a Berkshire rendeu muito mais, porque aquilo que a superou naquele dado momento era do hype, enquanto os negócios de Warren Buffett seguem se mantendo”, disse Enzo Pacheco no episódio #97.

No episódio, os quatro analistas deixaram claro, inclusive, uma qualidade que Buffett mostrou na conferência ao falar que errou ao investir na Paramount, e que por décadas serviu de base em sua sociedade com Charlie Munger: a habilidade de lidar com o erro e de, juntos, encontrarem formas de lidar com o erro.

E aí abre uma reflexão: se até o maior investidor de todos os tempos erra, por que tantos investidores (incluindo grandes gestores) escondem o erro ou se envergonham de assumir seus equívocos?

Oportunidade única e rara

A conversa do episódio #97 é uma oportunidade única, rara e inédita de ouvir 4 investidores que seguem os princípios de value investing e que vivenciaram o maior evento de investimentos do mundo (assista aqui).

Mais do que um papo sobre dinheiro, esse episódio é a forma de você, enquanto investidor, reforçar seus princípios não de investimentos por si só, mas de vida.

Até porque, como bem disse Thiago Salomão, CEO do Market Makers, durante a conversa, “investir com foco no longo prazo é muito mais do que um conhecimento técnico. É uma filosofia de vida. Tem que estar ligado a princípios. É amar o que faz, ter ao lado pessoas que você ama, conhecer-se e estar à vontade com isso. Não é só você ler a filosofia de value investing e colocar em prática. Mais do que tudo, isso tem que fazer sentido para quem você é. Sem isso, você nunca vai conseguir ser um investidor de longo prazo.

No episódio, Thiago Salomão, Matheus Soares, Pedro Gonzaga e Enzo Pacheco também falaram sobre:

  • as diferentes filosofias de value investing que conheceram no evento;
  • um exercício de imaginação sobre as ações brasileiras que Buffett compraria se investisse na B3;
  • a genialidade de Buffett em usar o float da seguradora para montar um império na Bolsa;
  • as qualidades de um value investor;
  • a importância de não ser um fã cego das estratégias de Buffett;
  • a humildade de Buffett em se adaptar às mudanças.

ASSISTA AQUI

No mais, com a idade avançada, Buffett reconheceu que não é mais o mesmo e não lê tão rápido como antes. Já de muletas e com a voz mais rouca, está dando cada vez mais espaço de fala para seu sucessor, o competente Greg Abel.

Queremos que Buffett siga firme e forte na próxima conferência. O mago de Omaha tem muito a nos ensinar. Mas independentemente disso, assim como um bom enxadrista, ele já deixou as peças de seu tabuleiro muito bem azeitadas para a Berkshire Hathaway seguir “atacando” (no bom sentido, claro) bons investimentos e sobrevivendo às mudanças que o jogo da vida nos impõe.

Isso diz muito sobre um value investor e, parafraseando o ditado persa do começo do texto, sobre usufruir de frutos saborosos na vida.

Ajude o Rio Grande do Sul

Mudando de assunto, quero aproveitar o espaço para divulgar quatro projetos de nossa confiança e que estão ajudando o povo gaúcho em meio ao desastre que assola o Estado:

Instituto Cultural Floresta (PIX CNPJ: 27.631.481/0001-90)
Associação Evangelística Seara Latina – AESLA (PIX CNPJ: 89.019.269/0001-23)
Unidos por ELDORADO DO SUL (PIX EMAIL: juliana@tiede.com.br)
Curioso Mercado (PIX CPF: 830.071.990-34)
O Rio Grande do Sul precisa de todos nós.

Um abraço,
Caio Nascimento

Compartilhe

Por caio.nascimento

caio.nascimento@mmakers.com.br