Notícia

2min leitura

Um episódio, dois trades

Arbitragem e carry trade: como a Absolute gera alfa

Por Renato Santiago

10 mar 2023 10h39 - atualizado em 10 mar 2023 10h53

Há quatro anos faço entrevistas com gestores de recursos, e há quatro anos não canso de me surpreender com a quantidade de maneiras diferentes de se ganhar e perder dinheiro no mercado financeiro.

No episódio de ontem recebemos Fabiano Rios, da Absolute, que apresentou mais um jeito: seu fundo especializado em arbitragem de fusões e aquisições, o Absolute Marb.

O conceito de arbitragem é: “em tudo que deveria ter um valor, mas por algum motivo não tem, há uma distorção. Nosso objetivo é aproveitar essa distorção. E a arbitragem que historicamente gera mais retornos é a de fusão e aquisição”, conta.

Mas que tipo de distorções podem acontecer? Rios responde com um exemplo com o qual se deparou no começo de sua carreira, no Santander. “No início dos anos 2000, a Telefónica, que era dona da Telesp fixa aqui no Brasil resolveu fechar o capital e propôs uma troca de ações. Quem era dono dessas ações aqui receberia ações da Telefónica na Espanha, a uma certa razão. E no mercado aqui se negociavam as ações com um desconto em relação ao preço da Espanha”, explica.

Esses descontos podem acontecer pelas mais diversas razões: questões de liquidez, normas tributárias diferentes para brasileiros e estrangeiros, o apetite ou ausência dele por parte de um investidor, assim como o risco de a operação não se concretizar.

É por operações semelhantes a essa que o Marb busca. “No fim, a questão é fazer contas. Ver quanto se pode ganhar ou perder”.

Carry trade

Para Rios, um novo bull market já se avizinha dos mercados globais, mas nem todos os países devem participar da festa. “Todos foram convidados, mas o Brasil, por exemplo, parece que não quer participar”, afirma. “Hoje o mercado está bom para ter posições de carry”, completa.

Mas o que, afinal, é o carry trade?

“São posições na qual você pegar moedas com o juro real mais alto, contra moedas com juro mais baixo”, explica. Hoje a Absolute tem posição no par yuan e peso mexicano: toma dinheiro emprestado em yuanes, que tem o juro menor, e investe em pesos mexicanos. “A cada dia que passa, ganhamos a diferença entre juros dos dois países. E outra moeda muito interessante para se fazer isso é com o real, que tem muito juros”, completa.

Absolute

A Absolute é uma das integrantes do restrito “Clube dos R$ 20 bilhões”, que são as assets independentes com mais de R$ 20 bilhões sob gestão. Mas diferente de seus pares, Fabiano tem um perfil mais recluso (prova é que essa entrevista aconteceu sete meses depois do nosso primeiro convite a ele). Como não é todo dia que se pode ouvir um membro recluso de um clube exclusivo, clique aqui e escute o episódio desta semana.

Compartilhe

Por Renato Santiago

Jornalista, co-fundador do canal Market Makers e do Stock Pickers, duas vezes eleito o podcast mais admirado do Brasil. Passou por grandes redações do país, como o jornal Folha de S. Paulo e revista Exame, e atuou na cobertura de diferentes temas, de cotidiano até economia e negócios. Sua missão, hoje, é a de usar sua expertise editorial e habilidades de reportagem para traduzir o mundo das finanças e mercado financeiro ao grande público.

renato.santiago@empiricus.com.br