Notícia

3min leitura

Uma aposta para carregar em 2023

Nunca é óbvio saber para onde vai o preço do petróleo, mas a assimetria hoje parece estar do lado do comprador

Por Matheus Soares

03 jan 2023 10h47 - atualizado em 06 jan 2023 02h03

Texto originalmente publicado na CompoundLetter, a newsletter do Market Makers. Inscreva-se na newsletter gratuitamente deixando o seu e-mail aqui

Apesar de ser quase consensual que a queda dos investimentos na exploração de petróleo – como é possível observar na imagem abaixo – levará a uma queda contínua de sua produção ao longo dos próximos meses (talvez até anos) e que esse fator, somado à guerra entre Rússia e Ucrânia corrobora com um cenário de alta de preços de energia, vimos o Brent – referência internacional para os preços do petróleo – cair mais de 35% entre março e dezembro do ano passado, saindo de US$ 128 para US$ 83.

Fonte: UBS

A queda dos preços é justificada, em parte, pelas preocupações, cada vez maiores, de que a queda no consumo de petróleo será maior do que a queda de produção caso o mundo entre, de fato, em uma profunda recessão.

Conforme podemos observar no gráfico abaixo, o impacto de uma recessão não é óbvio: durante a pandemia, momento em que todo o mundo não pôde sair de casa, o impacto no consumo de petróleo foi de queda de 8,7%, enquanto na crise de 2008 o impacto havia sido menor, de 2,9%.

Fonte: Reach Capital

Além disso, os estoques de petróleo no mundo todo estão em patamares baixíssimos. Em 2022, os estoques globais de petróleo caíram 115 milhões de barris, aproximadamente 4,5% do total (excluindo reservas estratégicas da conta).

Abaixo, é possível observar que o estoque de petróleo da OCDE está nos menores níveis dos últimos 5 anos.

Fonte: IEA

Ao mesmo tempo em que a demanda nos Estados Unidos segue em patamares elevados:

Fonte: Vista Capital

Apesar das condições mais apertadas entre oferta e demanda, o preço do petróleo continuou caindo. Além do receio de recessão, outros dois fatores podem ter pesado nos preços:

(i) venda das reservas estratégicas de petróleo realizadas tanto pelos Estados Unidos quanto pela Europa com o objetivo de controlar a inflação nessas regiões;

Fonte: Bloomberg

(ii) a China está consumindo cerca de 1,5 milhão de barris de petróleo a menos do que deveria em condições normais devido à sua política de tolerância zero à Covid.

Apesar da maior incerteza referente a demanda de petróleo no mundo, acreditamos estar diante de uma assimetria favorável, isso porque os preços do petróleo estão próximos do custo marginal global de produção e sem a existência de aumento de oferta relevante para os próximos 2 a 3 anos.

Fonte: UBS

Enxergamos três potenciais gatilhos favoráveis ao preço. São eles:

1) Reabertura chinesa deve elevar consumo ao longo do primeiro semestre de 2023: após uma série de protestos da população, as autoridades chinesas começaram a flexibilizar sua política de tolerância zero à Covid, o que abre espaço para que o país comece a voltar à normalidade e, consequentemente, aumente o consumo de petróleo por lá.

2) Recomposição das reservas estratégicas de petróleo pelos Estados Unidos: na terceira semana de novembro, por exemplo, o estoque de petróleo bruto caiu 12 milhões de barris, a terceira maior redução da série histórica em uma semana. A título de comparação, a queda de estoque americano em novembro de 35,7 milhões de barris, representa 4,2% das reservas totais americanas, e quase 10% do restante das reservas estratégicas.

3) Rússia poderá reduzir produção como resposta às sanções que vem sofrendo do Ocidente:

Fonte: Aljazeera

O ponto é: apesar da queda recente, não faltam gatilhos para o preço do petróleo se manter em um patamar mais elevado de preço ao longo dos próximos meses.

Esse é um dos motivos pelos quais a Carteira Market Makers possui exposição ao petróleo.

Hoje às 16h, faremos uma apresentação exclusiva aos membros da Comunidade Market Makers, da nossa principal aposta no setor de óleo e gás brasileiro.

Quer saber que ação é essa? Faça parte da Comunidade Market Makers e tenha acesso às teses de investimento da nossa carteira recomendada. Clique aqui para saber mais.

Compartilhe

Por Matheus Soares

Fundador do Market Makers, analista responsável pela Carteira Market Makers de Ações. Antes de fundar o MMakers, foi analista responsável pela cobertura de Small Caps na XP Inc e analista fundamentalista da Rico Investimentos. Certificado no curso de Value Investing da Columbia Business School.

matheus.soares@mmakers.com.br