Notícia

6min leitura

“Não invisto em estatais”

Ruídos e intervenções do governo nessas empresas afastam muitos investidores, mas cabe aí uma reflexão

Por caio.nascimento

15 maio 2024 10h34 - atualizado em 15 maio 2024 10h42

“Não invisto em estatais e não acompanho essa p#%$!. Nem que me paguem”

Foi isso que ouvi do meu amigo Carlos um tempo atrás. E acredite: é um pensamento comum entre muitos investidores traumatizados com as tantas intervenções negativas do governo em estatais listadas na Bolsa.

Não investir é um direito de qualquer um, óbvio.

Acontece, porém, que entender e construir um raciocínio robusto sobre essas empresas é ter em mãos um importante indicador de risco sistêmico, sentimento de mercado e de potenciais oportunidades de ações no setor privado, dada a forte influência delas na economia brasileira.

É por isso que o Market Makers quer colocar você nos bastidores das estatais num evento online e gratuito em 30 de maio, às 18h, com três executivas que ajudaram a transformar a Petrobras (PETR4), Eletrobras (ELET3) e a Caixa.

É gratuito e você pode reservar sua vaga aqui. Mas antes de falar desse evento, quero te mostrar com fatos por que meu amigo Carlos está equivocado.

Em 2014, a crise de dívida da Petrobras, causada pelos escândalos de corrupção, corroborou para uma forte desvalorização do real diante da piora do risco-país. À época, quem identificou isso usou de insight para filtrar (boas) empresas dolarizadas e exportadoras que se beneficiavam desse cenário.

Foi o caso, por exemplo, da alta exponencial da Weg (WEGE3), empresa de multimotores com boa parte de sua receita em dólar e que vinha evoluindo suas operações de forma para lá de atrativa ao redor do mundo.

Ainda falando na Petrobras, o posterior plano de desinvestimentos lançado pelo governo Temer para reduzir o endividamento da estatal abriu espaço para as petroleiras menores comprarem ativos dela.

Um caso nítido disso foi a 3R Petroleum (RRRP3), que aproveitou a oportunidade para se tornar uma empresa focada na revitalização de campos maduros de produção de óleo e gás que não interessavam mais para a gigante brasileira.

Desinteressado por tudo que envolve estatais, meu amigo Carlos não construiu uma base para criar o filtro que levou investidores a potenciais oportunidades como essas.

Afinal, sua “estadofobia” ofuscou sua capacidade de fazer correlações vantajosas para o seu bolso.

Bancos estatais também rendem insights poderosos

O meu amigo também não acompanha bancos estatais (ao menos que haja algum indício de privatização).

No entanto, ele, assim como outros investidores, ignora que instituições como o Banco do Brasil, Caixa Econômica e o BNDES são ferramentas poderosas do governo para concessão de crédito subsidiado e realizar investimentos, o que pode impactar em empresas de construção civil, infraestrutura e outras companhias sensíveis às políticas de crédito.

É o caso da Direcional (DIRR3), incorporadora focada no público de baixa e média renda cujos resultados são muito influenciados pelo programa Minha Casa Minha Vida (MCMV).

Esse exemplo reforça novamente o óbvio, mas que nem sempre as pessoas colocam em prática: 

Estatais são drivers de insights e…

… ficar por dentro delas é uma forma de entender como sua influência impacta outras empresas.

É daí que veio a ideia do Market Makers em trazer três executivas que ajudaram a implementar mudanças significativas na Petrobras, Caixa Econômica Federal e Eletrobras, que, por sua vez, passou por um longo processo de privatização. 

Além de terem ficado na linha de frente das mudanças substanciais nessas empresas, elas possuem carreiras bem-sucedidas em grandes corporações, sendo assim importantes fontes para o compounding de conhecimento do público que participar do evento.

São elas:

  • Daniella Marques, ex-presidente da Caixa;
  • Elvira Presta, ex-diretora financeira (CFO) da Eletrobras (ELET3); e
  • Andrea Almeida, ex-CFO da Petrobras (PETR4).

Braço direito de Paulo Guedes, ex-Vale e vasta experiência no setor elétrico: o que elas já fizeram?

O evento do Market Makers é uma oportunidade única e rara de ouvir um trio que, de fato, vai fazer você entrar no mundo das estatais como nunca antes entrou.

Por isso vou me debruçar um pouco sobre o que elas já fizeram:

Andrea Almeida: a Petrobras com ‘cara de empresa privada’

Andrea Almeida trabalhou por 25 anos na Vale (VALE3). Ela foi diretora financeira de metais básicos da empresa no Canadá.

Ao sair da mineradora para assumir a cadeira de CFO da Petrobras, em 2019, a executiva afirmou que todo mundo queria uma estatal com “carinha de empresa privada” — e ela sabia da sua própria capacidade de fazer isso. 

Na linha de frente até abril de 2021, durante a gestão Castello Branco, Andrea e sua equipe ajudaram a mudar a política de dividendos, readequaram o perfil da dívida, criaram diretrizes de investimento mínimo e melhoraram a relação da petroleira com os investidores.

“Reduzimos em R$ 2 bilhões a folha de pagamentos, feito que jamais teríamos alcançado se não tivéssemos aproveitado a crise. Fizemos uma análise detalhada de onde deveria focar os esforços e onde deveríamos fechar a produção. Participamos do melhor BID do pré-sal, que foi em Búzios, e ficamos com 95% do campo, enquanto os chineses ficaram com só 5%. Foram dois anos intensos na Petrobras”, disse ao Market Makers.

Em 2019, a executiva entrou para a lista das 50 mulheres mais poderosas internacionalmente da Fortune. Também marcou presença no ranking anual das 100 mulheres mais poderosas da Forbes, ficando em 77ª posição.

Elvira Presta, a executiva que viveu a privatização da Eletrobras

Com 30 anos de carreira, Elvira Cavalcanti Presta assumiu a direção financeira da Eletrobras no governo Temer, em 2019.

Ela esteve entre os executivos que lideraram a recuperação e o processo de privatização da companhia, durante a gestão de Wilson Ferreira Jr. 

“O Wilson, como CEO, estava tocando uma revolução na empresa, que sofreu por muito tempo por má gestão quando comparada com pares privados. A época da privatização foi uma aula: cada pedido de privatização das distribuidoras era um pedido de algum partido para bloquear”, falou ao Market Makers.

Daniella Marques, braço direito de Paulo Guedes

Integrando a equipe de Paulo Guedes desde o início do governo Bolsonaro, Daniella Marques assumiu o cargo de presidente da Caixa Econômica Federal após a saída conturbada de Pedro Guimarães.

Paulo Guedes e Daniella Marques já possuíam uma relação de confiança cultivada ao longo dos anos que trabalharam juntos na iniciativa privada.

Assim, a executiva teve uma importante participação no avanço da Reforma da Previdência e na PEC dos Precatórios, que estabeleceu regras e limites para o pagamento de dívidas judiciais, equilibrando as obrigações do Estado com as demandas sócio-econômicas emergenciais, como o Auxílio Brasil.

Além disso, ela foi responsável por fortalecer a governança da Caixa e por melhorar a eficiência operacional do banco através de transformações digitais. 

Um encontro raro

Diante de tudo que foi falado aqui, fica nítido que um encontro como esse não é de se desperdiçar.

Não é todo dia que aparece a oportunidade de ouvir três grandes executivas de três gigantes brasileiras.

Por isso, garanta sua vaga gratuita neste link. Além de reservar seu lugar no evento online, que acontece em 30 de maio, às 18h, você receberá um e-book com o histórico da Eletrobras, Petrobras e da Caixa.

Não seja como o meu amigo Carlos. Investindo ou não em estatais, aproveite esse momento para captar insights e aprender com um trio que implementou mudanças estruturais que influenciaram no cenário macro brasileiro.

Um abraço,
Caio Nascimento

Compartilhe

Por caio.nascimento

caio.nascimento@mmakers.com.br