Notícia

3min leitura

Para que serve um auditor?

O caso do advogado-youtuber que cuidava de 2 bilhões de euros da Paypal alemã

Por Renato Santiago

18 nov 2022 11h54 - atualizado em 18 nov 2022 11h54

As empresas independentes de auditoria são uma engrenagem crucial de um mercado de capitais saudável. São elas que atestam como verdadeiros os dados das companhias negociadas em Bolsa.

E como é nesses dados que analistas baseiam recomendações e gestores tomam decisões sobre o que fazer com o dinheiro de seus clientes, é de se esperar que seu trabalho seja sempre o mais diligente e preciso possível.

Assim nós também pensávamos, até ouvir a história que nosso convidado de ontem no Market Makers, Dan McCrum, nos contou. McCrum é o repórter que desmascarou a Wirecard, empresa de meios de pagamentos que chegou a ser chamada de Paypal alemão, entrar no índice DAX e valer 30 bilhões de euros — mas era tudo fake. A história de Dan e da companhia virou um excelente documentário na Netflix, sobre o qual falamos aqui.

Entre as muitas mentiras da Wirecard estava a existência de cerca de dois bilhões de euros em bancos das Filipinas. A existência do dinheiro fazia sentido, já que a companhia alemã alegava ter muitos negócios na Ásia. Talvez por isso as firmas de auditoria só tenham se preocupado em ir lá checar depois que o Financial Times começou a dizer que talvez o dinheiro não existisse.

Com a palavra, Dan McCrum

“Deixa eu contar uma das histórias sobre o que aconteceu, que ilustra o que estava acontecendo com os auditores, porque eles realmente não fizeram um trabalho muito bom. No começo de 2020 a COVID estava apenas começando a se espalhar e nós acusamos a Wirecard de fraudar grande parte de suas vendas em seus lucros. Então é chamada uma segunda firma de contabilidade para verificar os números.

“Todos os envolvidos estavam começando a perceber o que realmente importa: onde estava todo o dinheiro da Wirecard? Eles tinham 2 bilhões de euros em algum lugar, mas continuavam dizendo: ‘Onde está o dinheiro?’ Eventualmente a Wirecard diz: ‘Ah, sim. Está nas Filipinas. Temos um advogado cuidando disso.’ Então muita gente viajou para encontrá-lo, e vão ao seu escritório, em Manila, e o que acontece é que ele tinha um estúdio de YouTube lá.

“Se aparecêssemos num estúdio de YouTube, não esperaria que também cuidassem de dois bilhões de euros para um banco alemão. E acontece que esse advogado dá conselhos sobre coisas como divórcio e adultério em seu canal no YouTube. E ele tinha 100.000 inscritos! Ele tinha uma daquelas plaquinhas do YouTube. E esse é o cara que estava cuidando de tudo. E tem toda essa cena maluca em que ele os leva ao banco, e eles não vão para uma daquelas grandes torres do centro financeiro. Eles entram em um carro com duas motos da polícia escoltando-os pelo trânsito e dirigem por 40 minutos até essa pequena agência, em uma estradinha com cachorros correndo e uma oficina de bicicletas ao lado. E todos eles se aglomeram lá dentro. Esta era a agência bancária onde cerca de 1 bilhão de euros do dinheiro da Wirecard estava, e um cara aparece atrás da mesa.

“Ele diz ‘Oi.’ E todos dizem ‘Estamos aqui para falar sobre a Wirecard.’ E ele olha para eles… ‘Wirecard?!’ E então ele olha para o advogado que diz ‘WIRECARD!!!’, e ele ‘Ah!’, e mostra um envelope. E no envelope tem uma folha de papel com alguns erros de ortografia, e estava assinado por um gerente júnior da filial que dizia ‘Sim, esse cara está cuidando de 1 bilhão de euros do dinheiro da Wirecard.’ Acontece que isso é obviamente uma farsa total, mas os contadores levaram três meses para perceber isso depois deles terem tentado de tudo. Então você ouve aquele cenário maluco, pensando, como diabos eles conseguem se safar? Por alguma razão os contadores estavam assinando esses esquemas há anos.”

Para ouvir a entrevista completa com McCrum, clique aqui.

Compartilhe

Por Renato Santiago

Jornalista, co-fundador do canal Market Makers e do Stock Pickers, duas vezes eleito o podcast mais admirado do Brasil. Passou por grandes redações do país, como o jornal Folha de S. Paulo e revista Exame, e atuou na cobertura de diferentes temas, de cotidiano até economia e negócios. Sua missão, hoje, é a de usar sua expertise editorial e habilidades de reportagem para traduzir o mundo das finanças e mercado financeiro ao grande público.

renato.santiago@empiricus.com.br