Notícia

3min leitura

Quando vender uma ação?

Aprendendo na prática com um grande investidor

Por Matheus Soares

11 out 2022 15h17 - atualizado em 11 out 2022 03h22

Se você me acompanha desde a primeira CompoundLetter que soltei há três meses ou mesmo mais recentemente, aqui vai o meu muito obrigado. Esta leitura, que tem como objetivo levar até você uma dose diária de conhecimento, não faria sentido algum sem a sua audiência.

Como você já deve saber, eu apareço por aqui às terças-feiras. Admito que, no início, não imaginava ter ideias de texto sequer para duas semanas (verdade seja dita: continuo considerando isso). Também não achava que um dia pudesse receber um elogio tão legal como esse daqui que eu recebi em pleno feriado de 7 de setembro:

É como disse o poeta português Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, ao se referir às pequenas ações, que por mais singelas que pareçam, são de grande importância quando feitas com o coração e alma.

Voltemos ao objetivo desta newsletter.

A CompoundLetter de hoje é na verdade uma seção Food For Thought mais longa. O FFT é o espaço, sempre ao final dos meus textos, no qual eu compartilho com você algum conteúdo que eu consumi, seja em texto ou em vídeo, que me trouxe alguma sabedoria e que poderia te acrescentar algo também.

Essa semana o FFT é sobre Bill Ackman, um dos maiores investidores do mundo e fundador e CEO da Pershing Square, hedge fund americano que possui US$18,5 bilhões em ativos sob gestão. Com uma fortuna avaliada em US$3,2 bilhões e tendo apenas 56 anos de idade, sua admiração por Warren Buffett lhe rendeu o apelido de “Baby Buffett” na capa de uma edição da revista americana Forbes, em 2015.

Em janeiro deste ano, Bill Ackman comprou US$1 bilhão em ações da Netflix após elas terem desvalorizado 30% em apenas 5 dias após um primeiro trimestre de resultados bem aquém das expectativas do mercado.

Na época, em uma carta enviada aos clientes da Pershing Square, Ackman disse que a Netflix tinha “o melhor time de executivos do setor” e no Twitter ainda disse que admirava há muito tempo o CEO e fundador da empresa, Reed Hastings.

Três meses depois do anúncio, o investidor divulgou em uma nova carta que vendeu toda a posição que detinha na Netflix com um prejuízo de US$400 milhões. A decisão ocorreu após as ações caírem 35% em único dia após repercutirem um segundo trimestre decepcionante.

Mais recentemente em uma entrevista, ele citou quais foram os dois principais motivos que o fizeram vender a posição mesmo com prejuízo. Este trecho de 6 minutos e 33 segundos traz o momento exato em que ele aborda o assunto.

Bill Ackman: sell your shares when this happens

Para ele, você deve vender um investimento quando você aprende novas informações que são inconsistentes com a tese original.

Avaliar uma companhia não é somente identificar em que múltiplo de lucro a empresa vai negociar no ano que vem. […] A maneira correta de encontrar um negócio é tentar prever com algum grau de confiança qual será o fluxo de caixa da empresa ao longo de muitos e muitos anos.

No caso da Netflix, ele citou duas novas informações que mudaram completamente a tese original, que foram: 1) desaceleração do crescimento esperado e 2) mudança estratégica após o CEO e fundador da Netflix dizer que começaria a fazer publicidade apesar de sempre ter sido contra.

Se você comprou a Tesla porque ama os carros e pensou que estava pagando um preço justo pelas ações por acreditar que a empresa iria crescer a uma determinada taxa e um dia a BMW lança um carro melhor e de repente você percebe que não vai existir apenas a Tesla, então você deveria vender as ações. […] Se você tem uma tese e surgem novos fatos que são inconsistentes com a sua tese original e você continua distorcendo a tese para encontrar uma razão para continuar com as ações, isso será um problema.

Espero que o Food For Thought mais longo que o normal tenha trazido algum ensinamento, afinal: “sábio é aquele que aprende com o erro dos outros.

Compartilhe

Por Matheus Soares

Fundador do Market Makers, analista responsável pela Carteira Market Makers de Ações. Antes de fundar o MMakers, foi analista responsável pela cobertura de Small Caps na XP Inc e analista fundamentalista da Rico Investimentos. Certificado no curso de Value Investing da Columbia Business School.

matheus.soares@mmakers.com.br